Com 21 anos e 30 passagens, fujão conta que deve “duzentão” de droga

Aos 21 anos e dono de “coleção” de passagens policiais desde 2013, Luiz Antônio Rodrigues dos Santos é o jovem que protagonizou fuga cinematográfica de policiais militares em Campo Grande entre o fim da manhã e o começo da tarde desta sexta-feira (01). Ele escapou no Centro e só foi pego no Jardim Colibri, em torno de 9 quilômetros distante. O motivo da fuga, segundo as informações levantadas pela polícia, é o medo de voltar para o presídio, de onde havia saído em setembro, como apurou a reportagem. Lá, confessou, tem “duzentão” de dívida de drogas.

Depois de escapar pelas galerias do córrego segredo, por seis quadras, de ser atingido com um tiro no pé e de conseguir convencer alguém a pedir corrida de aplicativo para ele, do Centro até o bairro Moreninhas, Luiz Antônio fugiu após o motorista desconfiar e acabou sendo pego no Jardim Colibri, debaixo do tanque de lavar roupa de uma residência.

Segundo a PM, ele chegou a puxar uma faca para a equipe policial, antes do tiro. Depois de preso, Luiz Antônio foi levado para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento), com o pé sangrando. Lá, confessou aos policiais que estava usando drogas “a manhã toda e desde terça-feira à noite”. Indagado se já sabia o caminho para fugir pelas galerias, disse que não pensou. “Fui andando, machucado, ferido”.

Confrontado com a informação de que um policial se feriu na tentativa de prendê-lo, Luiz Antônio fez afirmação negativa, sempre acompanhada do “não senhor”. Ainda declarou “não ter feito nada”. Ao responder sobre o motivo de tanto medo de ser preso e se seria por dívida de drogas, admitiu que está em débito com outros presos, mas disse que “isso era o de menos”. “Eu consigo resolver com os caras lá”.

Desde os 15 anos – “Lá” é um lugar difícil de ser precisado para o rapaz. Ele tem problemas com a polícia desde os 15 anos. Conforme apurado, são pelo menos 30 passagens. De 2017 para cá, após os 18 anos, são pelo menos meia dúzia, quatro delas por tráfico de drogas.

Conforme informações levantadas pelo Campo Grande, o alvará de soltura pela última prisão foi dado em 17 de setembro, quando o preso foi autorizado a deixar o IPCG (Instituto Penal de Campo Grande). Luiz Antonio já ficou em diversas delegacias, além do Instituto Penal e do Presídio de

Segurança Máxima, na saída para Três Lagoas. Essas unidades são dominadas pela facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital), que costuma punir quem descumpre suas regras internas.

A arma branca usada por ele foi apreendida. Depois do atendimento na UPA, o jovem seria levado para a Delegacia de Polícia Civil e depois novamente para um presídio.

Operação – A fuga espetacular, cruzando a cidade, acabou sendo a principal cena da Operação Laburu, realizada pelo 1º Batalhão da Polícia Militar nesta manhã, no antigo terminal rodoviário da cidade, no no Centro. Foram abordadas 260 pessoas, quatro pessoas levadas para a Delegacia de Polícia Civil, dois foragidos presos, um preso por tráfico de drogas e uma porção de 11,7 gramas de cocaína apreendida.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here