Castello Branco toma posse na presidência da Petrobras e critica monopólios

Tomou posse nesta quinta-feira (3), em cerimônia no Rio de Janeiro, o novo presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco.

Castello Branco, que recebeu o crachá de presidente da Petrobras das mãos da presidente interina, Solange Guedes, criticou a existência de monopólios, e defendeu uma menor intromissão do Estado na economia.

“Através de privilégios e monopólios se transferiu renda do povo brasileiro para pequenos grupos de interesse. Privilégios e monopólios são inadmissíveis numa sociedade livre. Monopólios restringem a liberdade de escolha e impõem aos cidadãos tributação predatória e sem aprovação do parlamento”, afirmou.

Segundo ele, a presença forte do estado na economia é responsável pela pobreza do país. “Quanto maior a intromissão do estado na economia, mais restrita é a liberdade, menor é o crescimento e maiores as oportunidades para distribuição de favores. É a construção de uma fábrica de pobres”, disse.

Castello Branco enfatizou seu alinhamento com o pensamento liberal de Paulo Guedes e brincou se dizendo integrante do ”Chicago’s Oldies”. Ele afirmou que a eleição de Bolsonaro é “um marco histórico e oportunidade única” para mudar os rumos da economia brasileira. Segundo ele, “o populismo asfixiou” o crescimento do país”.

“É um marco histórico e oportunidade única para colocarmos o Brasil no caminho da prosperidade. O populismo asfixiou o empreendedorismo e a renovação. Os investimentos e a produtividade foram reprimidos. Os gastos públicos se tornaram abundantes, como falou ontem o ministro Paulo Guedes. O crescimento econômico foi substituído pelo redistributivismo perverso”, disse o novo presidente da estatal.

Castello Branco foi indicado para a presidência da estatal pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, de quem é próximo. Economista, ele fez parte da equipe de transição do governo Bolsonaro.

Posse do presidente da Petrobras Roberto Castello Branco com a presença do Diretor Geral da ANP, Décio Oddone; do Ministro de Estado de Minas e Energia, Bento Albuquerque; do Ministro de Estado da Economia, Paulo Guedes; do Governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel; do Presidente em Exercício do Conselho de Administração da Petrobras, Jerônimo Antunes e da Presidente Interina e Diretora de Exploração e Produção da Petrobras, Solange Guedes — Foto: Andre Ribeiro/Agência PetrobrasPosse do presidente da Petrobras Roberto Castello Branco com a presença do Diretor Geral da ANP, Décio Oddone; do Ministro de Estado de Minas e Energia, Bento Albuquerque; do Ministro de Estado da Economia, Paulo Guedes; do Governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel; do Presidente em Exercício do Conselho de Administração da Petrobras, Jerônimo Antunes e da Presidente Interina e Diretora de Exploração e Produção da Petrobras, Solange Guedes — Foto: Andre Ribeiro/Agência Petrobras

Posse do presidente da Petrobras Roberto Castello Branco com a presença do Diretor Geral da ANP, Décio Oddone; do Ministro de Estado de Minas e Energia, Bento Albuquerque; do Ministro de Estado da Economia, Paulo Guedes; do Governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel; do Presidente em Exercício do Conselho de Administração da Petrobras, Jerônimo Antunes e da Presidente Interina e Diretora de Exploração e Produção da Petrobras, Solange Guedes — Foto: Andre Ribeiro/Agência Petrobras

Privatização

Em entrevista após a cerimônia de posse, Castello Branco se esquivou de responder perguntas sobre privatizações de ativos da Petrobras, mas adiantou que há estudos a respeito.

“Não posso adiantar nada, até porque a Petrobras é uma companhia de capital aberto e seria leviano da minha parte falar qualquer coisa sem estar respaldado. Vamos analisar os ativos para então fazer o que está consistente com o desenvolvimento da empresa”, disse.

O novo presidente da estatal também não quis comentar sobre a equipe diretora que irá escolher para gerir a Petrobras. Nem mesmo o perfil que pretende emplacar na diretoria. Enfatizou querer fazer da companhia “uma campeã” e reiterou ser amante da competição, e não do isolamento no mercado.

Política de preços

Castello Branco afirmou que a atual política de preços da Petrobras será mantida. “A Petrobras seguirá preço de paridade internacional, sem subsídios e sem exploração de poder de monopólio. Nós somos amantes da competição e detestamos a solidão dos mercados, teremos companhias, queremos competir”, afirmou.

Ele disse ainda que sua gestão à frente da companhia terá cinco prioridades: gestão do portfólio, minimização dos custos de capital, busca por redução de custos, meritocracia e segurança do trabalho e meio ambiente.

‘Nova fase’

Em discurso durante a cerimônia, o ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque Júnior, afirmou que o governo irá direcionar suas ações para uma nova fase da nossa indústria de óleo e gás. Ele garantiu que a política de preços da Petrobras não sofrerá interferência da equipe econômica, mas defendeu que mudanças devam ser empregadas na companhia.

“Precisamos romper com paradigmas antiquados e proporcionar um novo tempo para o Brasil. Neste sentido, revitalizar setores estratégicos da economia torna-se um grande passo para edificar um futuro promissor”.

Albuquerque adiantou que “medidas estão sendo estudadas para permitir a entrada de novos agentes no mercado de combustíveis e derivados”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here