Homem não aceita separação e mata a sogra para se vingar da ex-mulher

A Polícia Civil já tem o suspeito do assassinato de Alzai Bernardo Lopes na manhã de Natal, em Campo Grande. O pedreiro autônomo Wantuir Sonchini da Silva, de 41 anos, é apontado como responsável pela morte dela por esganadura. A motivação do crime seria vingança contra a ex-mulher, filha da vítima.

Em coletiva de imprensa realizada na manhã desta quinta-feira (27), a delegada Sueili Araujo Lima Rocha, da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à mulher) contou que, Sonchini casou com a filha de Alzai, de 35 anos, em meados do ano 2000 e permaneceu com ela até este ano.

O relacionamento teria chegado ao fim recentemente em decorrência de uma série de agressões sofridas pela mulher. Eles têm um filho de 12 anos e ela está grávida de cinco meses.

Inconformado com o fim do relacionamento ele começou a fazer ameaças contra a ex-mulher. Ele acreditava que ela o estava traindo. “Não entendia que ela estava terminando por não querer estar com ele e não por estar com outro”, comentou a delegada.

AS AGRESSÕES

Conforme a polícia, o casamento chegou ao fim no último de 7 de dezembro, quando Sonchini bateu na ex-mulher. No dia 11 de dezembro, ele incendiou a casa em que ela morava. No dia 12, prestou depoimento na Deam e, quando deixou o local, foi atrás de um conhecido da família que acreditava ser o amante da ex-mulher.

Sonchini tentou atropelar o homem, mas não conseguiu porque a vítima conseguiu se abrigar na casa de um desconhecido. O pedreiro chutou o portão e só deixou o local quando a vizinhança se aglomerou. “Isso reforça o perfil violento do autor tanto que a vítima se escondia na casa de familiares”, declarou a delegada.

De acordo com Sueili, todas essas ocorrências foram registradas na polícia e havia medidas protetivas contra Sonchini.

O CRIME

Treze dias após prestar depoimento na Deam, Sonchini decidiu se vingar da ex-mulher assassinando a mãe dela. Alzai Bernardo Lopes, de 59 anos, foi encontrada morta pelo filho na manhã do dia 25 de dezembro, na casa onde morava na Rua Ipamerim, no bairro Moreninhas, em Campo Grande

Ela apresentava  hematomas no pescoço e sangramento nos olhos, indícios de esganadura. No local, os policiais e familiares encontraram um bracelete de couro sobre a cama. O acessório foi reconhecido pelos parentes da vítima. Era o mesmo utilizado por Sonchini. Há inclusive registros dele com o bracelete nas redes sociais.

“Somando o encontro desse objeto e histórico de violência surge Wantuir como principal suspeito”, pontuou a delegada.

Sueili elaborou um pedido de prisão preventiva contra Sonchini. Hoje ele é considerado foragido da Justiça.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here